Devocionais de Max Lucado




O que fazer com as preocupações (por Max Lucado)

“Aquele que não poupou seu próprio Filho, mas o entregou por todos nós, como não nos dará juntamente com ele, e de graça, todas as coisas?” Romanos 8:32
O que nós fazemos com as... preocupações? Leve suas ansiedades até a cruz – literalmente. Da próxima vez que você ficar preocupado com sua saúde ou casa ou finanças ou vôos, viaje mentalmente para cima da montanha. Fique alguns momentos olhando novamente para as peças da paixão.

Passe seu polegar na ponta da lança. Balance um cravo na palma de sua mão. Leia o sinal de madeira escrito em seu próprio idioma. Enquanto você faz isso, toque a barra aveludada, úmida com o sangue de Deus.
Sangue que ele derramou por você.
A lança ele levou por você.
Os pregos ele sentiu por você.
O sinal ele deixou por você.
Ele fez tudo isso por você. Sabendo disso, sabendo de tudo o que ele fez ali por você, você não acha que ele cuidará de você aqui?
Notas:
Traduzido por Cynthia Rosa de Andrade Marques Almeida
-->




A panela da oração (por Max Lucado )

“Então irei ao altar de Deus, a Deus, a fonte da minha plena alegria.” Salmos 43:4
Digamos que uma perturbação vem em sua direção. A médica chega à conclusão de que você precisa ser operada. Ela detecta um nódulo e acha melhor que ele seja retirado. Então lá está você, saindo do consultório. Você acaba de receber esta taça de angústia. O que você fará com ela? Você pode colocá-la em uma de duas panelas.
Você pode despejar sua má notícia no tonel da preocupação e pegar a colher. Acender o fogo. Cozinhá-la. Mexê-la. Lamentar por um tempo. Pensar por um tempo. Não demorará muito para você ter uma deliciosa panela de pessimismo.
Que tal uma idéia diferente? A panela da oração. Antes que a porta do consultório médico feche, entregue o problema para Deus. “Eu aceito seu senhorio. Nada chega a mim que não tenha passado pelo senhor.” Além disso, acresecente uma saudável porção de gratidão.
A sua parte é oração e gratidão. A parte de Deus? Paz e proteção.
Notas:
Traduzido por Cynthia Rosa de Andrade Marques Almeida




Ame o negligenciado (por Max Lucado)

“Coloque o avental da humildade para servir um ao outro” 1 Pedro 5:5 TEV
Servir não requer habilidade singular ou diploma de seminário. Não importam quais sejam suas forças, treinamentos, ou cargos na igreja, você pode... amar o negligenciado.
Jesus senta em sua sala de aula, usando os óculos grossos, roupas antiquadas, e um rosto triste. Você o viu. Ele é Jesus.
Jesus trabalha em seu escritório. Grávida de novo, ela aparece para trabalhar tarde e cansada. Ninguém sabe quem é o pai. Segundo os boatos, nem mesmo ela sabe quem é o pai. Você a viu. Ela é Jesus.
Quando você conversa com o aluno solitário, ajuda a mãe exausta, você ama Jesus. Ele se vestiu com aparência de negligenciado e rejeitado. “Sempre que vocês fizeram uma dessas coisas para alguém negligenciado ou rejeitado, era eu - vocês fizeram para mim” (Mateus 25:40 MSG).






Um foco para a vida (por Max Lucado)

“E, tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração, como ao Senhor e não aos homens.” Colossenses 3.23.
Quando temos o primeiro indício de que Jesus sabia que era o Filho de Deus? No templo de Jerusalém. Ele tinha doze anos. Seus pais já haviam partido, fazia três dias, na viagem de regresso a Nazaré, quando deram por sua falta. Encontraram-no dentro do Templo, estudando com os doutores.
Menino ainda, Jesus já sente a chamada de Deus. Mas o que Ele faz a seguir? Recruta apóstolos, prega sermões e faz milagres? Não, vai para casa, para o seu povo, e aprende o ofício da família.
É isto exatamente o que você deve fazer. Quer trazer foco para a sua vida? Faça o que Jesus fez. Vá para casa, ame sua família e cuide do serviço. “Mas, Max, eu quero ser missionário”. Seu primeiro campo missionário é sob o seu teto. O que o faz pensar que acreditarão em você além-mar, se não acreditam em você sob seu próprio teto?

Notas:
Extraído do livro Simplesmente como Jesus





A sabedoria do lenhador e outras histórias favoritas (por Max Lucado )

Eu amo histórias. Amo lê-las e ainda mais, amo escrevê-las. As histórias nos ajudam a entender verdades bíblicas de um jeito novo. Algumas vezes elas nos ajudam a enxergar-nos mais objetivamente através das lentes da imaginação.
Juntei algumas das minhas histórias favoritas neste artigo. Espero que elas lembrem você do que significa ser um filho de Deus. Que você curta tanto quanto eu curti escrevê-las!
A sabedoria do lenhador
Você compraria uma casa se permitissem você ver apenas um de seus cômodos? Você compraria um carro se só deixassem você ver seus pneus e uma luz traseira? Você julgaria um livro depois de ler apenas um parágrafo?
Nem eu.
Um bom julgamento requer um amplo conhecimento. Isso não só é verdade nas compras de casas, carros e livros, como também na avaliação da vida. Uma falha não faz da pessoa uma fracassada; uma realização não faz da pessoa um sucesso.
“Melhor é o fim duma coisa do que o princípio”,1 disse o sábio.
“Sede pacientes na tribulação”,2 repetiu o apóstolo Paulo.
“Não julgue uma frase por uma palavra”, declarou o lenhador.
O lenhador? Ah, você pode não conhecê-lo. Deixe-me apresentá-lo a você.
Eu o conheci no Brasil. Ele me foi apresentado por um amigo que sabia que eu precisava de paciência. Denalyn e eu estávamos a seis meses no Brasil com um visto de cinco anos e eu estava decepcionado. Minha fascinação pelo Rio de Janeiro tornou-se em irritação com as palavras que não conseguia falar e com a cultura que não entendia.
“Tenha paciência”, Maria me dizia. Ela era minha tradutora. Mas, além disso, ela tinha uma voz calma em uma tempestade barulhenta. Com persistência materna, corrigia minha pronúncia e me ajudava a amar sua pátria.
Certa vez, no meio de uma semana frustrante por tentar retirar nossos bens da alfândega (o que eventualmente levou três meses), ela me passou essa história como lição de casa. Ela ajudou bem mais minha postura do que ajudou meu português.
É uma fábula simples. Mas para nós que tentamos julgar a vida com evidências de apenas um dia, a mensagem é profunda. Não fiz nada para enfeitá-la, apenas a traduzi. Oro para que ela lembre você, como fez comigo, que a paciência é a maior coragem.
* * *Certa vez, havia um senhor que morava em uma pequena vila. Embora fosse pobre, todos o invejavam porque era dono de um lindo cavalo branco. Até o rei desejava o seu tesouro. Nunca se tinha visto um cavalo como este antes – tão grande era seu esplendor, sua majestade, sua força.
As pessoas ofereciam preços fabulosos por ele mas o senhor sempre recusava. “Este cavalo não é um cavalo pra mim,” ele dizia. “Considero como uma pessoa. Como você poderia vender uma pessoa? Ele é um amigo, não uma posse. Como você poderia vender um amigo?” O homem era pobre e a tentação era grande. Mas ele nunca vendeu o cavalo.
Uma manhã ele viu que o cavalo não estava no estábulo. Toda a vila veio vê-lo. “Seu velho bobo,” eles zombavam, “nós te avisamos que alguém iria roubar seu cavalo. Nós te avisamos que ele seria roubado. Você é tão pobre. Como você podia imaginar que iria proteger um animal tão valioso? Seria melhor tê-lo vendido. Você poderia ter conseguido qualquer preço que quisesse. Nenhuma quantia seria muito alta. Agora o cavalo se foi e você foi atingido por essa infelicidade.”
O senhor respondeu, “não vão tão longe. Digam apenas que o cavalo não está no estábulo. Isso é tudo que sabemos; o resto é dedução. Se foi uma desgraça ou não, como vocês podem saber? Como vocês podem julgar?
As pessoas responderam. “Não pense que somos bobos! Podemos não ser filósofos, mas não é necessária muita filosofia. O simples fato do seu cavalo ir embora é uma desgraça.”
O senhor falou de novo. “Tudo que sabemos e que o estábulo está vazio e o cavalo foi embora. O resto eu não sei. Se é uma desgraça ou uma bênção, eu não sei. Só podemos ver uma parte. Quem pode dizer o que virá a seguir?”
O povo da vila ria. Pensavam que o homem estava louco. Sempre tinham considerado o homem bobo. Se ele não o fosse, teria vendido o cavalo e vivido com o dinheiro. Mas ao invés disso, ele era um pobre lenhador, um senhor idoso ainda cortando lenha, arrastando-a para fora da cidade para vendê-la. Ele vivia na miséria da pobreza. Agora ele provou que realmente era um tolo.
Depois de quinze dias o cavalo voltou. Ele não tinha sido roubado. Ele fugiu para a floresta. Não só voltou como também trouxe uma dúzia de cavalos selvagens com ele. Mais uma vez, o povo da cidade se juntou em volta do lenhador e disse. “Senhor, você estava certo e nós estávamos errados. O que pensávamos que era uma desgraça era uma bênção. Por favor nos perdoe.”
Então o homem respondeu: “Mais uma vez vocês foram longe demais. Digam apenas que o cavalo voltou. Digam apenas que doze cavalos vieram com ele mas não façam suposições. Como vocês sabem se é uma bênção ou não? Vocês vêem apenas uma parte. A não ser que vocês saibam toda a história, como podem saber? Vocês leram apenas uma página de um livro. Como podem julgar todo o livro? Vocês leram apenas uma palavra da frase. Como podem entender a frase inteira?”
“A vida é muito ampla mas vocês julgam toda a vida com uma página ou uma palavra. Tudo que vocês têm é um pedaço! Não digam que é uma bênção. Ninguém sabe. Estou feliz com o que sei por enquanto. E não estou perturbado com o que não sei.”
“Talvez o senhor esteja certo,” diziam uns para os outros. Então falaram pouco. Mas lá no fundo, sabiam que ele estava errado. Sabiam que era uma bênção. Doze cavalos selvagens vieram com um cavalo. Com um pouco de trabalho, os animais poderiam ser domesticados e vendidos por muito dinheiro.
O senhor tinha um filho, um único filho. O jovem começou a domesticar os cavalos selvagens. Depois de alguns dias, ele caiu de um dos cavalo e quebrou as duas pernas. Mais uma vez os moradores da vila se juntaram ao redor do senhor e lançaram seus julgamentos. “Você estava certo”, eles disseram. “Você provou que estava certo. Os doze cavalos não eram uma bênção. Eram uma desgraça. Seu único filho quebrou as pernas e, agora com idade avançada, você não tem ninguém para te ajudar. Agora você está mais pobre do que nunca.”
O senhor falou novamente. “Vocês são obcecados por julgamento. Não vão longe demais. Digam apenas que meu filho quebrou as pernas. Quem sabe se é uma desgraça ou uma benção? Ninguém sabe. Temos apenas um pedaço. A vida vem em partes.”
Aconteceu que, algumas semanas depois, o país entrou em guerra contra um país vizinho. Todos os homens jovens da vila foram convocados para entrar no exército. Apenas o filho do senhor foi excluído porque estava ferido. Mas uma vez o povo se juntou em volta do senhor chorando e lamentando porque seus filhos foram levados. Havia uma pequena chance deles retornarem. O inimigo era forte e a guerra seria uma luta perdida. Eles nunca veriam seus filhos novamente.
“Você estava certo, senhor,” eles choravam. Deus sabe que você estava certo. Isso prova. O acidente do seu filho foi uma bênção. Suas pernas podem estar quebradas mas ao menos ele está com você. Nossos filhos se foram para sempre.”
O senhor falou de novo. “É impossível conversar com vocês. Vocês sempre tiram conclusões. Ninguém sabe. Digam apenas isso: seus filhos foram pra guerra e o meu não. Ninguém sabe se é uma bênção ou uma desgraça. Ninguém é sábio demais para saber. Só Deus sabe.”
* * *O senhor estava certo. Apenas sabemos uma parte. Os infortúnios e horrores da vida são apenas uma página de um grande livro. Não devemos ficar tirando conclusões. Devemos esperar para tirar conclusões das tempestades da vida até sabermos a história inteira.
Não sei onde o lenhador aprendeu a ter paciência. Talvez de um outro lenhador da Galiléia. Porque foi um Carpinteiro que disse:
“Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã. Basta a cada dia o seu mal.” 3
Ele devia saber. Ele é o autor da nossa história. E Ele já escreveu o último capítulo.
1 Eclesiastes 7:82 Romanos 12:123 Mateus 6:34
Traduzido por Cynthia Rosa de Andrade Marques Almeida




Alguns dias nunca chegam (por Max Lucado)

“Se amarmos uns aos outros, Deus permanece em nós, e o seu amor está aperfeiçoado em nós”. I João 4:12
Algum dia. O inimigo do amor arriscado é uma cobra cuja língua domina a fala da decepção. “Algum dia”, ele sussurra.
“Algum dia, poderei levá-la em uma viagem.”
“Algum dia, terei tempo para ligar e conversar.”
“Algum dia, as crianças entenderão por que eu era tão ocupado.”
Mas você sabe a verdade, não sabe? Você sabe até mesmo antes de eu escrevê-la. Você poderia dizê-la melhor do que eu.
Alguns dias nunca chegam. E o preço da racionalidade algumas vezes é maior do que o da extravagância. Mas as recompensas do amor arriscado são sempre maiores que seu custo.
Esforce-se. Invista tempo. Escreva a carta. Peça perdão. Faça a viagem. Compre o presente. Faça. A oportunidade aproveitada gera alegria. A negligenciada traz arrependimento.

Notas:
Traduzido por Cynthia Rosa de Andrade Marques Almeida




Paz através da oração (por Max Lucado )

“E a paz de Deus... guardará o coração e a mente de vocês em Cristo Jesus.” Filipenses 4:7
O coração aflitivo paga um alto preço por isso. Aflição vem da palavra grega que significa “dividir a mente”. A ansiedade nos divide bem ao meio, criando um pensador de mente dividida. Além de assumir o problema de amanhã, a aflição anula a força de hoje. A percepção está dividida, desperdiçando sua energia. Quem pode se dar ao luxo de perder poder?
Mas como podemos parar de fazer isso? Paulo oferece uma resposta com dois lados: a parte de Deus e a nossa parte. A nossa parte inclui oração e gratidão. “Não andem ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e súplicas, e com ação de graças, apresentem seus pedidos a Deus” (Filipenses 4:6).
A parte de Deus? “Se você fizer isto, você experimentará a paz de Deus, a qual é muito mais maravilhosa do que a mente humana consegue entender” (Filipenses 4:7).

Notas:
Traduzido por Cynthia Rosa de Andrade Marques Almeida



Ele entende (por Max Lucado )

“Até os cabelos da cabeça de vocês estão todos contados. Portanto, não tenham medo!” Mateus 10:30-31
Por que Jesus ficou cansado em Samaria (João 4:6), admirado em Nazaré (Marcos 6:6), e bravo no Templo (João 2:15)? Por que ele ficou com sono no barco no Mar da Galiléia (Marcos 4:38), triste ao túmulo de Lázaro (João 11:35), e com fome no deserto (Mateus 4:2)?
Por quê? Por que ele suportou todos estas sensações? Porque ele sabia que você as sentiria também.
Ele sabia que você ficaria cansado, admirado e bravo. Ele sabia que você ficaria com sono, enlutado e com fome. Ele sabia que você enfrentaria a dor. Se não a dor no corpo, a dor na alma... dor forte demais para qualquer droga. Ele sabia que você enfrentaria a sede. Se não uma sede por água, pelo menos uma sede pela verdade, e a verdade que nós juntamos aos poucos da imagem de um Cristo com sede é - ele entende.
E porque ele entende, nós podemos ir até ele.
Notas:
Traduzido por Cynthia Rosa de Andrade Marques Almeida




Religião pelo computador (por Max Lucado )

“Quem crê no Filho tem a vida eterna." João 3:36
Cristianismo computadorizado. Aperte as teclas certas, coloque a senha certa, insira os dados corretos, e bingo, imprima sua própria salvação.
Você faz a sua parte e o Computador Divino faz a dele. Sem necessidade de orar (afinal de contas, você controla o teclado). Sem necessidade de envolvimentos sentimentais (quem quer abraçar circuitos?). E adoração? Bem, adoração é um exercício de laboratório – insira os rituais e veja os resultados.
Religião pelo computador. Isso é o que acontece quando...
Você substitui o Deus vivo por um sistema inerte;
Você substitui amor incalculável por provisão superficial;
Você substitui o sacrifício perfeito de Cristo por feitos insignificantes do homem.




Deus não foi criado (por Max Lucado )

“Eu sou Deus, e não há nenhum outro; eu sou Deus, e não há nenhum como eu”. Isaías 46:9
Ninguém soprou vida em Jeová. Ninguém foi seu antepassado. Ninguém o gerou. Ninguém o criou. Nenhum ato o trouxe.
E uma vez que nenhum ato o trouxe, nenhum ato pode tirá-lo. Ele tem medo de terremoto? Ele treme quando há tornado? Certamente não. Jeová dorme durante as tempestades e acalma os ventos com uma palavra. O câncer não o preocupa e os cemitérios não o incomodam. Ele estava aqui antes deles chegarem. Ele estará aqui depois deles terem acabado. Ele não foi criado.
E ele não é governado. Conselheiros podem confortá-lo durante a tempestade, mas você precisa de um Deus que pode acalmar a tempestade. Amigos podem segurar sua mão em seu leito de morte, mas você precisa de um Jeová que tenha derrotado o túmulo. Filósofos podem debater sobre o sentido da vida, mas você precisa de um Senhor que possa revelar o sentido da vida.
Notas:
Traduzido por Cynthia Rosa de Andrade Marques Almeida




Deus usa o comum (por Max Lucado )

“Quem tentar conservar a sua vida a perderá, e quem perder a sua vida a preservará”. Lucas 17:33
Pode ser que o céu tenha um santuário para honrar o uso incomum do comum de Deus.
É um lugar que você não quer perder. Passeie em volta e veja a corda de Raabe, o balde de Paulo, a funda de Davi, e a queixada de Sansão. Enrole suas mãos na vara que dividiu o mar e bateu na pedra. Cheire o ungüento que suavizou a pele de Jesus e elevou seu coração...
Eu não sei se estes itens estarão lá.
Mas tenho certeza de uma coisa – as pessoas que os usaram estarão.
Os que assumiram o risco: Raabe que protegeu os espiões. Os irmãos que fizeram Paulo sair às escondidas.
Os conquistadores: Davi, arremessando uma pedra. Sansão, girando um osso. Moisés, levantando uma vara.
Os carinhosos: Maria aos pés de Jesus. O que ela deu custou muito caro, mas de alguma forma ela sabia que o que ele daria custaria mais.
Notas:
Traduzido por Cynthia Rosa de Andrade Marques Almeida



A preocupação é fútil (por Max Lucado)

“Quem de vocês, por mais que se preocupe, pode acrescentar uma hora que seja à sua vida?” Mateus 6:27
Ninguém precisa lembrá-lo do alto custo da ansiedade. (Mas eu vou lembrá-lo assim mesmo). A preocupação divide a mente. A palavra bíblica para preocupação (merimnao) é uma combinação de duas palavras gregas, merizo (“dividir”) e nous (“a mente”). A ansiedade divide nossa energia entre as prioridades de hoje e os problemas de amanhã. Parte de nossa mente está no agora; o resto está no ainda não. O resultado é uma vida com uma mente dividida.
Esse não é o único resultado. A preocupação não é uma doença, mas causa doenças. Ela tem sido relacionada à alta pressão sanguínea, problemas de coração, cegueira, enxaquecas, mau funcionamento da tireóide, e inúmeras doenças de estômago.
A ansiedade é um hábito caro. Claro, ela valeria a pena se funcionasse. Mas não funciona. Nossas preocupações são fúteis. A preocupação nunca clareou um dia, resolveu um problema, ou curou uma doença.
Notas:
Traduzido por Cynthia Rosa de Andrade Marques Almeida






4 princípios para uma vida satisfeita (4) (por Max Lucado)

1. Encontre alegria no que é usual
2. Conte suas bênçãos
3. Aceite o perdão
4. Termine a corrida
Termine a corrida
”Está consumado.” João 19:30
Há muitos anos atrás, Paul Simon e Art Garfunkel encantaram todos nós com a música de um menino pobre que foi para Nova Iorque em um sonho e foi vítima da vida cruel da cidade. Sem dinheiro, somente com estranhos como amigos, ele passou seus dias “em uma situação humilde, procurando pelos bairros mais pobres aonde as pessoas esfarrapadas vão, procurando pelos lugares que apenas eles saberiam”.1
É fácil imaginar este jovem rapaz, rosto sujo e roupas usadas, procurando por trabalho e não encontrando nenhum. Ele anda com dificuldade pelas calçadas e luta contar o frio, e sonha ir para algum lugar “onde os invernos de Nova Iorque não estão me fazendo sangrar, levando-me para casa.”
Ele estuda pensamentos de ir embora. Ir para casa. Desistir – algo que ele nunca pensou que faria.
Mas justamente quando ele pega a toalha para jogá-la no ringue, ele encontra um boxeador. Lembra-se destas palavras?Na clareira encontra-se um boxeador e um lutador por seu ofício, e ele leva uma lembrança de todos os golpes que o derrubaram ou o cortaram até que ele gritou em sua raiva e sua vergonha – “estou indo embora, estou indo embora!” mas o lutador ainda continua.2“O lutador ainda continua”. Há algo magnético nesta frase. Ela toca com uma verdade.
Aqueles que podem continuar como o boxeador são uma raça rara. Eu não necessariamente quero dizer vencer, apenas quero dizer continuar. Pare aqui. Termine. Agüente nisso até que esteja acabado. Mas infelizmente, poucos de nós fazem isso. Nossa tendência humana é parar antes de cruzar a linha de chegada. Nossa incapacidade de terminar o que começamos é vista nas menores coisas:
Um gramado cortado parcialmente.Um livro lido pela metade.Cartas começadas mas nunca concluídas.Uma dieta abandonada.Um carro perto de bloqueios.
Ou, ela aparece nas áreas mais dolorosas da vida:
Uma criança abandonada.Uma fé fria.De emprego em emprego.Um casamento arruinado.Um mundo não evangelizado.
Estou tocando em algumas feridas dolorosas? Alguma chance de eu estar me dirigindo a alguém que esteja considerando desistir? Se estiver, quero encorajá-lo a continuar. Quero encorajá-lo a lembrar-se da determinação de Jesus na cruz.
Jesus não desistiu. Mas não pense nem por um minuto que Ele não foi tentado a fazê-lo. Observe-o estremecer quando ouve Seus apóstolos difamarem e discutirem. Olhe-o chorar quando Ele senta na tumba de Lázaro ou ouça-o gemer enquanto Ele arranha o chão do Getsêmani.
Ele alguma vez quis desistir? Pode apostar.
Esse é o por quê de suas palavras serem tão esplêndidas.
“Está consumado.”
Pare e ouça. Você pode imaginar o grito da cruz? O céu está escuro. As outras duas vítimas estão gemendo. As bocas zombadoras estão silenciosas. Talvez haja trovão. Talvez haja choro. Talvez haja silêncio. Então Jesus puxa um fôlego profundo, empurra Seus pés para baixo naquele prego romano, e grita, “Está consumado!”
O que está consumado?
O plano de redenção do homem foi concluído. A mensagem de Deus para o homem foi concluída. Os trabalhos feitos por Jesus como um homem na Terra foram concluídos. As tarefas de seleção e treinamento de embaixadores foram concluídas. A música foi cantada. O sangue foi derramado. O sacrifício foi feito. O ferrão da morte foi retirado. Terminou.
Um grito de derrota? Dificilmente. Suas mãos não foram seguradas para baixo? Ouso dizer que um punho triunfante teria batido no céu escuro. Não, este não é um grito de desespero. É um grito de finalização. Um grito de vitória. Um grito de cumprimento. Sim, até mesmo um grito de alívio.
Um lutador que continuou. E graças a Deus que Ele continuou. Graças a Deus que ele resistiu.
Você está perto de desistir? Por favor não o faça. Você está desencorajado como pai? Agüente firme. Você está cansado de fazer o bem? Faça apenas um pouco mais. Você está pessimista quanto ao seu emprego? Arregace as mangas e vá para ele de novo. Sem comunicação no seu casamento? Dê mais uma chance a ele. Não consegue resistir à tentação? Aceite o perdão de Deus e vá para mais um round. O seu dia está marcado por pena e desapontamento? Os seus amanhãs estão se tornando em nunca? Esperança é uma palavra esquecida?
Lembre-se, uma pessoa que termina não é alguém sem feridas ou cansaço. Exatamente ao contrário, ele, como o boxeador, está com cicatriz e ensangüentado. A madre Teresa estava certa dizendo, “Deus não nos chamou para sermos bem sucedidos, apenas fiéis”. O lutador, como nosso Mestre, está perfurado e cheio de dor. Ele, como Paulo, pode até mesmo ser atado e golpeado. Mas ele continua.
A Terra da Promessa, diz Jesus, espera por aqueles que perseverarem3. Não é só para aqueles que fazem a volta da vitória ou bebem champanhe. Não senhor. A Terra da Promessa é para aqueles que apenas perseverarem até o fim.
Vamos perseverar.
Escute estes coros de versículos feitos para nos dar força para ficar:
Meus irmãos, considerem motivo de grande alegria o fato de passarem por diversas provações, pois vocês sabem que a prova da sua fé produz perseverança. 4
Portanto, fortaleçam as mãos enfraquecidas e os joelhos vacilantes. Façam caminhos retos para os seus pés, para que o manco não se desvie, antes, seja curado. 5
E não nos cansemos de fazer o bem, pois no tempo próprio colheremos, se não desanimarmos. 6
Combati o bom combate, terminei a corrida, guardei a fé. Agora me está reservada a coroa da justiça, que o Senhor, justo Juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amam a sua vinda. 7
Feliz é o homem que persevera na provação, porque depois de aprovado receberá a coroa da vida, que Deus prometeu aos que o amam. 8
Obrigado, Paul Simon. Obrigado, apóstolo Paulo. Obrigado, apóstolo Tiago. Mas acima de tudo, obrigado, Senhor Jesus, por nos ensinar a perseverar, a resistir, e no fim, terminar.
Orações são jóias preciosas
por Max Lucado
"Porque os olhos do Senhor estão sobre os justos, e os seus ouvidos, atentos às suas orações" 1 Pedro 3.12.
Você e eu vivemos num mundo barulhento. Conseguir a atenção de alguém não é tarefa simples. A pessoa deve estar disposta a pôr tudo de lado para ouvir; desligar o rádio, afastar-se do monitor, dobrar o canto da página e guardar o livro. É um privilégio quando alguém dispõe-se a silenciar todas as coisas a fim de ouvir-nos claramente. De fato, é um raro privilégio.
Suas orações são honradas no céu como jóias preciosas. Purificadas e autorizadas, as palavras sobem numa deliciosa fragrância ao nosso Senhor. Suas palavras não param até alcançar o trono de Deus.
As suas orações na terra ativam o poder de Deus no céu, e a vontade de Deus é feita na terra, assim como no céu...
Suas preces movem Deus a mudar o mundo. Você pode não entender o segredo da oração. Você não precisa entender. Porém esta máxima é bastante clara: As ações no céu começam quando alguém na terra ora.
Notas:
Extraído do livro A Grande Casa de Deus




Palavras de força (por Max Lucado)

“Nenhuma palavra torpe saia da boca de vocês, mas apenas a que for útil para edificar os outros”.Efésios 4:29
Antes de você falar, pergunte: o que eu estou a ponto de dizer ajudará os outros a se tornarem mais fortes?
Você possui a habilidade, com suas palavras, de fazer com que uma pessoa fique mais forte.
Suas palavras são para a alma delas o que uma vitamina é para o corpo delas. Se você tivesse comida e visse alguém com fome, você não a compartilharia? Se você tivesse água e visse alguém morrendo de sede, você não a daria? Claro que você faria isso. Então você não fará o mesmo para seus corações? Suas palavras são comida e água!
Não negue encorajamento ao desanimado.
Não sonegue afirmação ao abatido!
Diga palavras que faça as pessoas mais fortes. Acredite nelas como Deus acreditou em você.
Notas:
Traduzido por Cynthia Rosa de Andrade Marques Almeida




Deus é por mim (por Max Lucado)

“Tu contaste as minhas aflições; põe as minhas lágrimas no teu odre.” Salmos 56:8
Deus conhece você. Ele gravou seu nome em suas mãos e mantém as suas lágrimas em uma garrafa (Isaías 49:16; Salmos 56:8)...
Deus conhece você. E ele está perto de você! Qual é a distância entre o pastor e a ovelha? (João 10:14)? Os ramos e a videira (João 15:5)? Essa é a distância entre Deus e você. Ele está perto. Veja como estas quatro palavras ficam no espelho do seu banheiro: “Deus é por mim” (Salmos 56:9).
E seu reino precisa de você. Os pobres precisam de você; os solitários precisam de você; a igreja precisa de você... a causa de Deus precisa de você. Você é parte do “propósito que ele está executando em tudo e em todos” (Efésios 1:11 MSG). O reino precisa que você descubra e desenvolva sua habilidade única. Use-a para entender Deus melhor. Leve a palavra. Deus está conosco; não estamos sós.
Notas:
Traduzido por Cynthia Rosa de Andrade Marques Almeida



Sugestão de leitura:

--> -->

Nenhum comentário: